Em Ba-Vi cheio de emoções, Vitória vence Bahia por 2×1 e está a um empate da final

Gols, bolas na trave, expulsão, chuva, queda de energia. O primeiro Ba-Vi da semifinal da Copa do Nordeste só não teve torcida dos dois times, mas sobrou emoção dentro de campo no Barradão. De virada, o Vitória venceu o Bahia por 2×1, na noite desta quinta-feira (27), e jogará pelo empate domingo (30), às 16h, na Fonte Nova. Para avançar, Bahia precisa fazer 1×0. Leão também avança se perder por um gol de diferença, desde que seja com placar a partir de 3×2 (4×3, 5×4…). E claro, 2×1 para o Bahia leva a decisão para os pênaltis. 

O jogo começou sob muita chuva, que não foi suficiente para diminuir a vibração da torcida rubro-negra na arquibancada. Reinando sozinha, somente um gol do tricolor esfriaria os ânimos e foi o que aconteceu logo aos quatro minutos. 

Allione cobrou escanteio e Edson subiu sozinho para cabecear e abrir o placar. Como não pôde correr pra galera para comemorar, restaram os abraços e carinhos dos companheiros e comissão técnica no banco de reservas: Bahia 1×0. 

O Vitória tentou responder com David em jogada individual, mas o atacante foi derrubado por Hernane quando avançava em velocidade. Quem se deu mal, no entanto, foi o camisa 9 tricolor, que além de receber o terceiro cartão amarelo e ficar fora do jogo da volta, se machucou no lance e saiu do estádio direto para o hospital com suspeita de fratura. Guto Ferreira colocou Gustavo no lugar. 

Na sua primeira jogada, fez bem o pivô e rolou na direita para Edigar Junio cruzar e a zaga afastar. Na segunda, aos 19 minutos, Gustavo foi pra uma dividida forte com Kanu próximo à bandeira de escanteio e deixou o braço. Apesar de não ter acertado, o zagueiro do Vitória caiu no chão, o árbitro entendeu que o lance era pra expulsão e aplicou cartão vermelho. Os jogadores do Bahia protestaram e houve confusão entre os dois times. Até Argel foi para o bolo.

Quando a bola voltou a rolar, o Vitória partiu logo pra cima em busca do empate. Tentou com André Lima de cabeça, mas o camisa 99 mandou pra fora. O Bahia levou mais perigo e quase ampliou em contra-ataque puxado por Armero. O colombiano lançou Allione, que tocou de trivela tentando encobrir Fernando Miguel e a bola passou por cima do gol. 

O Bahia ainda teria outra boa chance em chute de Edigar Junio, que Fernando Miguel espalmou, mas, aos 37 minutos, o Vitória chegou ao empate. Edson tentou cortar o passe para André Lima, mas a bola imprensada caiu na cabeça de Euller, que aproveitou a saída atrapalhada de Jean e fez 1×1.

 O gol embalou o time de Argel, que por pouco não virou no chutaço de Willian Farias que explodiu no travessão. Alguns jogadores pediram gol, mas o próprio rubro-negro Cleiton Xavier foi ver a marca da bola e fez sinal positivo para o bandeira. O Bahia respondeu na mesma moeda, em chute de Allione que também acertou o travessão de Fernando Miguel.                     

As equipes voltaram sem modificações para o segundo tempo e dessa vez foi foi o Vitória que marcou logo no início. Aos 6 minutos, Patric cobrou escanteio, Lucas Fonseca derrubou Fred na área, o juiz não marcou, mas André Lima pegou a sobra e mandou para o fundo da rede. Era a virada.

Mesmo com um a menos, o Bahia continuou levando perigo. Em boa tabela com Edigar Junio, Zé Rafael invadiu a área e chutou de chapa, por cima do gol, perdendo chance incrível. O Leão teve outra grande chance com David, que pegou de primeira dentro da área e mandou para fora. 

Aos 40 minutos, se é que ainda faltava algo além da torcida visitante, veio o último fato marcante: uma queda de energia paralisou o clássico. Na volta, Jean ainda evitou o terceiro gol rubro-negro, em chute fontal de Willian Farias.

Leave a Reply

Your email address will not be published. Required fields are marked *